Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider

Câmara Municipal de Lisboa promove tipo de investimento alternativo

Está para breve a abertura do concurso promovido pela Câmara Municipal de Lisboa, no âmbito do programa renda acessível (PRA).

Com efeito, este concurso visa garantir a colocação no mercado lisboeta de 1600 novos apartamentos, dos quais 1200 terão uma renda reduzida, cifrada entre 150€ e 600€, consoante a tipologia em questão. Estando, contudo, estas rendas sujeitas a eventuais ajustes anuais.

Por conseguinte, os restantes 400 apartamentos disponibilizados pela Câmara Municipal de Lisboa, poderão ser arrendados ao preço escolhido pelo vencedor do concurso, sem qualquer tipo de limitações.

Estes apartamentos localizar-se-ão em Lisboa, em zonas próximas da Graça, em Benfica, Marvila, Belém, Lumiar e, ainda, no Parque das Nações, todas estas congregam bons serviços de transportes, com áreas verdes, bem como com todos os serviços públicos necessários.

A grande novidade deste concurso, relativamente a outros idênticos promovidos por esta entidade, prende-se com o critério subjacente à aferição de quem será o vencedor deste concurso. Assim, os projetos vencedores serão aqueles que garantam:

1. O valor da renda mais baixa a cobrar ao arrendatário;

2. Duração da obra mais reduzida.

Deste modo, esta iniciativa, visa obter um equilíbrio de interesses.

Por um lado, permite-se a criação de rendas a um preço acessível, que, de momento inexistem e são cruciais, uma vez que o mercado imobiliário se encontra bastante inflacionado.

Por outro lado, os investidores interessados beneficiarão na qualidade de senhorios destas rendas, sem necessidade de serem os proprietários dos imóveis, sendo-lhes estes concessionados pela referida Câmara, durante um lapso temporal de 30 a 70 anos.

Assim, investidos na qualidade não de proprietários, mas de concessionários/titulares de direitos de superfície, têm apenas de assegurar a obra/reabilitação inicial e de conservação dos imóveis que lhes forem disponibilizados por esta.

 Efetivamente, a Câmara assegura ainda o financiamento das obras de urbanização gerais, organiza a procura de arrendatários e promove a atenuação de riscos, desde logo eliminando incertezas e dispêndios de tempo relativamente a licenças de construção.

Em suma, esta é uma oportunidade para investir, com melhores resultados, quando em comparação com outros tipos de investimento de risco igualmente reduzido.