Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider

A Mudança

O Estado Angolano continua empenhado em mudar o rumo do País e a imagem que oferece junto da comunidade internacional.

Para o efeito e no intuito de tornar-se independente das importações que tanto penalizam o normal desenvolvimento da economia, o Executivo tem vindo a aliciar e captar investimento estrangeiro para apostar no sector agrícola. É nesta vertente que o Governo da República Popular da China está disposto a investir no desenvolvimento do sector industrial de Angola, aproveitando as potencialidades agro-pecuárias do país, desenvolvendo numa das províncias, um projecto agrícola, numa área de dois mil hectares e com um financiamento de 15 milhões de dólares.

Ainda no âmbito do investimento estrangeiro, os governos de Portugal e de Angola assinaram, uma convenção para acabar com a dupla tributação, bem como outros acordos sobre transporte aéreo, visando aumentar o número de ligações entre os dois países, assim como outros acordos em áreas diversificadas como a segurança área, a saúde, a assistência técnico-militar, projetos de cooperação delegada da União Europeia em Portugal, envolvendo matérias como a segurança alimentar, a revitalização do ensino técnico e a formação profissional. 

Por outro lado, e já no âmbito nacional mas com grande visibilidade no estrangeiro, a Assembleia Nacional angolana aprovou a proposta de Lei sobre o Repatriamento Coercivo e Perda Alargada de Bens, permitindo o confisco de “bens incongruentes domiciliados no exterior do país”.

Este diploma enquadra-se na Lei sobre o Repatriamento de Recursos Financeiros, que entra em vigor em Janeiro de 2019 e tem por objectivo dotar o ordenamento jurídico angolano de normas e mecanismos legais que permitam a materialização do repatriamento coercivo, com maior ênfase à perda alargada de bens a favor do Estado.

Foi igualmente aprovado um conjunto de alterações à Lei dos Contratos Públicos, que visa garantir uma "maior aplicabilidade" dos preceitos e princípios contidos na legislação, ligados ao combate à corrupção e à transparência na Administração Pública, bem como regular o modo de prestação das declarações de bens e rendimentos, de interesses, de imparcialidade, confidencialidade e independência na formação e execução dos contratos públicos.

Apesar de os anúncios de reformas parecerem positivos, mormente o do combate à corrupção,  a Economist Intelligence Unit (EIU - empresa britânica do Economist Group que fornece serviços de previsão e consultoria por meio de pesquisa e análise, como relatórios mensais de países, previsões econômicas nacionais de cinco anos, relatórios de serviços de risco país e relatórios setoriais) considera que as reformas em curso em Angola são positivas para a economia embora o país continue vulnerável às variações nos preços do petróleo no “curto a médio prazo”.

Da análise ao Orçamento do Estado para 2019, a EIU refere que "as iniciativas de reforma vão provavelmente ajudar Angola a diversificar a sua economia, aumentando a produção interna, incluindo na manufatura e na agricultura, e reduzir a dependência do país das importações", apontando como positivo o aumento, em cinco vezes, da despesa reservada à agricultura, "particularmente importante para Angola", e que "indica que o Governo está a falar a sério sobre o investimento nos setores produtivos, apesar de a percentagem deste setor no total da despesa ficar-se em 1,6%".

Mais refere que, pela primeira vez, Angola planeia gastar mais em educação e em saúde, com 7% e 6%, respetivamente, do que nos serviços de segurança e defesa, que vão receber 9% do orçamento.

A confirmarem-se estes números, assistimos, de facto, a uma mudança em Angola.